Play da radio

O play abaixo está em teste com outra programação

domingo, 21 de setembro de 2014

Adão da Viola

Adão da Viola

Adão José Angrisanis, nasceu em Maracaí, no estado de São Paulo, no dia 21 de junho.
Começou na carreira muito cedo, por influência da família circense, e se dedicou à música, cantando as composições do pai, Carrapicho, e logo fazendo dupla com a irmã mais nova, Eva.
Em 1962 gravou seu primeiro disco como a dupla “Adão e Eva”, pela extinta Copacabana, participando de diversos programas de TV, pelas mãos dos empresários Sebastião Ferreira e Genival Melo, dois ícones do show business. A dupla terminou, mas Adão seguiu formando outras duplas, até que em 1968 começou a trabalhar em estúdios como músico e, logo, produtor. Seu enorme talento lhe deu a oportunidade de trabalhar e produzir nomes como Trio Parada Dura, Gilberto e Gilmar, Tonico e Tinoco, João Mineiro e Marciano, Cézar e Paulinho, Gino e Geno, Chitãozinho e Xororó, Silveira e Barrinha, Silveira e Silveirinha, Mococa e Moraci, Mococa e Paraíso, Pedro Bento e Zé da Estrada, Abel e Caim, Liu e Léu, Suzamar, Gentil Rossi, Beth Guzzo, Moacyr Franco, Jackson Antunes e muitos outros.
Em 2011, Adão fez parceria com Nenê Carllos, de Duartina, com quem gravou o CD “Viola Materna”. A dupla com Nenê Carllos foi desfeita em 2013 e, atualmente, ele está cantando com Wilson Freitas da cidade de Arealva, com quem acabou de gravar um CD

CONTATOS PARA SHOWS:

Fone: (11) 99570-1667

E-mail: adaodaviola.10@hotmail.com

Texto: Sandra Cristina Peripato

Discografia e Fotos: Site Recanto Caipira

Alvarenga e Ranchinho

alvarenga_ranchinho

Murilo Alvarenga nasceu em Itaúna, no estado de Minas Gerais, no dia 22 de maio de 1912 e faleceu em 18 de janeiro de 1978. Diésis dos Anjos Gaia, o Ranchinho, nasceu em Jacareí, no estado de São Paulo, no dia 23 de maio de 1913 e faleceu no dia 05 de julho de 1991.
Alvarenga foi apenas um e que, no entanto, por força das circunstâncias, acabou fazendo dupla com três parceiros por nome "Ranchinho".
O primeiro Ranchinho, portanto, foi Diésis dos Anjos Gaia, que cantou com Alvarenga de 1933 a 1938, retornando no ano seguinte e que, após outros sumiços, abandonou a dupla em 1965.
O segundo Ranchinho foi Delamare Abreu (nascido em São Paulo/SP no dia 28 de outubro de 1920), irmão de Murilo Alvarenga por parte de mãe, e que fez dupla com ele por dois meses na década de 50. Delamare mais tarde deixou o palco e passou a ser pastor protestante.
E o terceiro Ranchinho, que foi quem ficou mais tempo ao lado de Murilo, foi Homero de Souza Campos (1930-1997), conhecido também como "Ranchinho da Viola" e como "Ranchinho II" (apesar de ter sido o terceiro). Homero cantou com Murilo Alvarenga de 1965 até o seu falecimento em 1978.
O "Ranchinho da Viola" foi o mesmo Homero que também integrou o "Trio Mineiro", juntamente com Bolinha e Cosmorama e que chegou a gravar 12 discos de 78 rpm. E, com Alvarenga, Homero gravou 15 discos, entre 78 rpm e LPs.
Murilo e Diesis conheceram-se no início da década de 30 na cidade de Santos/SP. Murilo, após o falecimento de sua mãe, morava no Brás, em São Paulo/SP com seus tios; ele era trapezista e também cantava tangos. Diésis cantava músicas românticas na Rádio Clube de Santos, que havia sido inaugurada pouco tempo antes (em 1927). "Rancho Fundo" (Ary Barroso e Lamartine Babo) era uma das músicas preferidas e mais freqüentemente interpretadas por Diésis que, em função disso, começou a ser anunciado como "Rancho".
O primeiro encontro se deu numa serenata. E, como era baixinho, Diésis aproveitou o apelido e o modificou para Ranchinho, quando da formação da dupla com Murilo que, por sua vez, aproveitou o próprio sobrenome: "Alvarenga e Ranchinho" passaram então a cantar a duas vozes em circos interpretando de início um "repertório sério" formado por valsas, modinhas, tangos e chorinhos.
O mais engraçado é que a platéia ria quando Alvarenga e Ranchinho cantavam... E, tirando partido da situação, eles passaram a incluir piadas entre uma música e outra, da mesma forma como também faziam Jararaca e Ratinho no Rio de Janeiro/RJ.
A dupla iniciou-se efetivamente em 1933, trabalhando no Circo Pinheiro em Santos. Algum tempo depois, seguiram para a capital paulista, onde eles passaram a se apresentar também em outros circos.
Devido às paródias que compunham satirizando diversos políticos, sofreram perseguições. Após animados shows contando estórias, fazendo esquetes humorísticos e cantando suas composições, muitas vezes acabavam "passando a noite no xadrez".
No mesmo ano, apresentaram-se na Companhia Bataclã na capital paulista. Também fizeram parte do elenco da companhia Trololó, juntamente com o renomado comediante Sebastião Arruda, no Teatro Recreio, na Praça da Sé, na capital paulista. É importante destacar também que Sebastião Arruda havia criado no teatro o "personagem clássico caipira" que já passava a ter também a voz ouvida no disco, já que o Ator Arruda também havia se juntado à Turma de Cornélio Pires quando das primeiras gravações de Modas de Viola e "Causos" interpretados pelo Tibúrcio e sua Turma Caipira no final da década de 20 e início da década de 30.
Em 1934, a convite do Maestro Breno Rossi, passaram a trabalhar na Rádio São Paulo, recém-inaugurada. E, quando a Companhia "Casa de Caboclo" do Rio de Janeiro se apresentou em São Paulo, Breno Rossi, que havia sido o pianista convidado para o evento, incentivou a ida de Alvarenga e Ranchinho para um período bem sucedido no Rio de Janeiro, em 1936, com apresentações inclusive no Cassino da Urca.
Lembrar que a "Casa de Caboclo" foi fundada no final de 1931 por Jararaca e Ratinho, juntamente com Duque, Pixinguinha e Dercy Gonçalves.
Em 1935, Alvarenga e Ranchinho formaram com Silvino Neto o trio "Os Mosqueteiros da Garoa", que teve curta duração. No mesmo ano, venceram o concurso de músicas carnavalescas de São Paulo com a marcha "Sai, Feia", de Alvarenga, que foi inclusive gravada por Raul Torres.
Ainda no mesmo ano, trabalharam também no filme "Fazendo Fita" de Vittorio Capellaro, a convite do Capitão Furtado. Ariowaldo Pires, o Capitão Furtado, que era Compositor, Locutor de Rádio, Produtor Caipira e sobrinho de Cornélio Pires, viu Murilo e Diésis passeando com seus instrumentos musicais e, abordando-os, perguntou se eles eram Violeiros, se cantavam no estilo de "Mariano e Caçula" e se queriam participar de um filme?
Espertos como eles só, responderam "sim" a todas as perguntas, para não deixar passar a oportunidade e, no elenco de "Fazendo Fita", Alvarenga e Ranchinho substituíram Mariano e Caçula que era a dupla inicialmente convidada, mas que havia desistido da participação em virtude do atraso das filmagens.
E, em 1936, rumaram para o Rio de Janeiro, onde se apresentaram na Casa de Caboclo, incentivados pelo maestro e pianista Breno Rossi. Começaram a se apresentar na Rádio Tupi no programa "Hora do Guri". E, naquele mesmo ano, gravaram o primeiro disco pela Odeon com as músicas "Itália e Abissínia" e o cateretê "Liga das Nações".
E o sucesso ia crescendo. Apenas três anos de dupla formada e Alvarenga e Ranchinho eram cômicos, atores de cinema e... dupla caipira, "sem nem mesmo terem nascido na roça". E Assis Chateaubriand, ouvindo a dupla, contratou Alverenga, Ranchinho e o Capitão Furtado para estrear nos Diários e Emissoras Associados (Grupo do qual fazia parte a Rádio Tupi e, a partir de 1950, também a TV Tupi) a "Trinca do Bom Humor".
Em novembro de 1936, seguiram para Buenos Aires, onde se apresentaram no Teatro Smart. O sucesso "Nóis em Buenos Ayres" retrata com muito bom humor como foi a viagem, os enjôos no navio, os passeios de metrô, etc.
Em 1937, no auge do sucesso, passaram a fazer parte do elenco do famoso Cassino da Urca, onde trabalharam até seu fechamento, em 1946, por Eurico Gaspar Dutra.
No Casino da Urca, Alvarenga e Ranchinho começaram a fazer suas sátiras políticas, as quais se tornaram um de seus pontos fortes. O público se divertia e o Governo... sentia-se incomodado na maioria das vezes, com as críticas musicais que eram cada vez mais o forte de suas apresentações.
O visual da dupla consistia nos trajes caipiras: camisa xadez, chapéu de palha de aba curta, e botas de cano curto.
Em 1938, lançaram a marcha "Seu Condutor" (em parceria com Herivelto Martins), que foi o maior sucesso carnavalesco da dupla.
E, nesse mesmo ano de 1938, Ranchinho afastou-se pela primeira vez da dupla. E Alvarenga, passou a cantar em dupla com Bentinho e também com o grupo que intitulou "Alvarenga e Sua Gente".
Apesar do pouco tempo de duração, a dupla "Alvarenga e Bentinho" chegou a gravar alguns Discos 78 rpm pela Odeon e, tal foi a amizade surgida entre os dois parceiros que, a convite de Alvarenga, Bentinho foi padrinho de batismo do seu filho, o Delmare Alvarenga, que é atualmente um dos mais conceituados maestros e é regente da Orquestra Sinfônica da Ópera de Colônia (Köln) na Alemanha.
Em 1939, Ranchinho voltou a formar dupla com Alvarenga. E Bentinho formou juntamente com Xerém a dupla Xerém e Bentinho.
Essa separação temporária de Ranchinho da dupla com Alvarenga voltou a ocorrer diversas vezes nos 27 anos seguintes e, nessas ocasiões, ele sempre foi substituído por outros parceiros, como Bentinho e Delamare de Abreu, esse último, como o segundo Ranchinho, sendo que a dupla mantinha o mesmo nome.
Em 1939, Ranchinho voltou a integrar a dupla com Murilo Alvarenga e novas gravações foram feitas pela Odeon, algumas inclusive juntamente com o Capitão Furtado.
E, em conseqüência de suas sátiras políticas, Alvarenga e Ranchinho vinham tendo cada vez mais problemas com a Censura Oficial; mas em 19/04/1939, dia do aniversário de Getúlio Vargas, a questão foi finalmente resolvida: Alzira Vargas, filha do então Presidente da República, convidou a dupla para tocar todo o seu repertório de sátiras no Palácio do Catete para seu pai. O "Baixinho" (como era chamado pela dupla), após ouvir todas as músicas, inclusive algumas que se referiam a ele, acabou gostando e deu ordens para que as composições de Alvarenga e Ranchinho fossem liberadas em todo o Território Nacional. E, para Ranchinho, de um certo modo, parecia que sem censura, havia perdido a graça falar do Getúlio...
Também em 1939, Alvarenga e Ranchinho fizeram uma turnê pelo Rio Grande Sul. E, ainda nesse mesmo ano, passaram a se apresentar na Rádio Mayrink Veiga, onde receberam o título de "Os Milionários do Riso", graças aos cada vez mais bem sucedidos esquetes cômicos.
Em 1940, gravaram pela Odeon um de seus maiores sucessos, "Romance de uma Caveira".
Em 1949, gravaram "Drama da Angélica" intitulada de "canto tétrico", uma composição onde todos os versos terminam com palavras proparoxítonas.
Em 1950, foram a Portugal e se apresentaram no Cassino Estoril, próximo a Lisboa. Em 1955, participaram do filme "Carnaval em Lá Maior", de Ademar Gonzaga.
Fizeram também campanhas políticas para Juscelino Kubitscheck de Oliveira e Ademar de Barros. JK, por sinal, amante da boa música brasileira também apreciava o trabalho de Alvarenga e Ranchinho e foi dos pouquíssimos políticos "poupados das sátiras" feitas pela dupla. Fizeram célebres paródias de músicas conhecidas tais como "Nervos de Aço" (Lupicínio Rodrigues), "Adios Muchacho" (Júlio Sanders e César Vendani), e "Disparada" (Geraldo Vandré e Téo de Barros).
Em 1965, Diésis dos Anjos abandonou mais uma vez a dupla e acabou por ser substituído por Homero de Souza Campos (1930-1997), que passou a ser o novo Ranchinho.
A partir dos anos 70 Alvarenga e Ranchinho deixaram o Rádio e passaram a se apresentar esporadicamente em alguns programas de TV e a quase totalidade da atividade artística passou a ser as turnês pelo interior, até o falecimento de Murilo Alvarenga em 1978.
O último disco da dupla foi "Os Milionários do Riso" gravado em 1973 pela RCA.
Os três "Ranchinho" estiveram presentes no velório de Murilo Alvarenga em Janeiro de 1978 e, inconsolável, Diésis declarava que haviam combinado de refazer a dupla, poucos dias antes da morte do parceiro.
Problemas pulmonares levaram Ranchinho deste mundo em 05 de julho de 1991.
E, no dia 31 de julho de 1997, faleceu, também vítima de câncer no pulmão, o "Ranchinho II", Homero de Sousa Campos.

Texto: Sandra Cristina Peripato
Discografia e Fotos: Site Recanto Caipira

Abel e Caim – Biografia

abel_caim

José Vieira (Abel) nasceu em Itajobi/SP, em 27 de abril de 1929.
Sebastião da Silva (Caim) nasceu em Monte Azul Paulista/SP, em 20 de janeiro de 1944.
Abel deu os seus iniciais passos na vida artística cantando em Catanduva e Novo Horizonte. Por volta dos anos 1955 e 1956 fazia algum sucesso com a parceria feita com o sobrinho Lair Rodrigues. Tempos depois, deixou o interior e foi para a capital.
Caim, em 1957, participava de um trio onde atuava ao lado de uma irmã e de um garoto até migrar para a capital paulista.
Abel e Caim foram se encontrar em São Paulo no ano de 1967.
Como os dois já haviam formado outras duplas, resolveram cantar juntos e, depois de vários ensaios, acabaram se acertando.
Estava formada uma nova dupla sertaneja, e Jacozinho deu-lhe o nome de Abel e Caim. A parceria teve um início glorioso. Era o tempo dos concursos e festivais. Na época a TV Cultura realizava, sob o comando de Geraldo Meirelles, um grande concurso de violeiros. Abel e Caim participaram, e entre mil e quinhentas duplas inscritas, obtiveram o primeiro lugar em uma sensacional vitória. Fizeram parte do júri: Raul Tôrres, Nhô Zé, Nenete, Athos Campos, Julião, entre outros. Ganharam como prêmio um contrato com a Gravadora Chantecler e a gravação de seu primeiro LP, que se transformou em sucesso e abriu as portas para outras oportunidades. A primeira delas, foi um convite feito pela Rádio Nacional, hoje Globo, para que participassem do primeiro festival realizado por aquela emissora.
Defenderam a música “Natureza” de autoria de Dino Franco. Após dramática disputa duas músicas empataram no primeiro lugar: “Poeira”, defendida pelo Duo Glacial, e “Catira”, cantada por Zico e Zéca. A música “Natureza” interpretada por Abel e Caim conquistou o terceiro lugar. Daí para frente foi só sucesso, programas de rádio, shows por todo o Brasil e vários discos gravados, totalizando 28 LPs e 07 CDs.
Começaram na Chantecler, depois entraram para a Continental, RCA Victor, Copacabana, CBS, CID e Tape Car.
Entre seus grandes sucessos: Santa Luzia, Mãe Amorosa, Natureza, O Barco, Orquestra da Natureza, O Menino e o Cachorro, Berrante Assassino, Laço do Boi Soberano, entre outros.
A dupla veio a se desfazer com o falecimento de Abel, ocorrido em 12 de janeiro de 2011 na cidade de Araçatuba/SP.

Texto: Sandra Cristina Peripato
Discografia e Fotos: Site Recanto Caipira

terça-feira, 5 de agosto de 2014

Morreu Nardeli, do Trio Nenete, Dorinho e Nardeli

clip_image001

Nenete, Dorinhoi e Nardeli

Faleceu, hoje, em Bauru, onde residia, Antonio Onofre Figueiredo, o Nardeli, do Inesquecível Trio “Nenete, Dorinho e Nardeli” O Corpo do Nardeli está sendo velado no Memorial Bauru, onde será sepultado, hoje, as 17h00.

À família, aos amigos e fãs do Nardeli, nosso mais profundo Sentimento. Perdemos mais um dos Maiores Sanfoneiros Sertanejos de todos os tempos.

Saiba mais sobre a biografia do Trio no Site Recanto Caipira

Tião Camargo

terça-feira, 22 de julho de 2014

Morre “Rei do Gado” da Dupla Zé da Braca e Rei do Gado

Zé da Barca e Rei do Gado

Foto do Blog Saudade Sertaneja. Na foto, o Rei do Gado é o primeiro em destauqe.

O Rei do Gado “Mirtão” faleceu ontem às 23h00, está sendo velado no Centro Velatório Terra e será sepultado, hoje, às 16h00, aqui em Bauru.

Aos amigos e familiares do Mirtão, a homenagem e sentimentos de todos do blog Saudade Sertaneja e Clube da Viola de Bauru.

Tião Camargo

Os irmãos José Wilson Aguiar dos Santos, o Zé da Barca, e Milton Benedito Aguiar dos Santos, o Rei do Gado, nasceram no Distrito de Iguatemi, município de Jaú, Estado de São Paulo. Começaram a aprender tocar e cantar quando ainda eram meninos.

Em 1953, formaram a dupla Sanhaço e Canarinho e passaram a se apresentar na Rádio de Ibitinga, num programa de auditório, patrocinado pela Casa Sebastião Sayão e em circos da região, como Circo do Zé da Breca. Saiba mais no blog Saudade Sertaneja

domingo, 20 de julho de 2014

Morre o Goiano da Dupla Goiano e Paranaense

goiano_paranaense

Morreu, sexta-feira, 18/07/2014, na cidade de Pinhalzinho/SP, Valdomiro Neres Ferreira, o Goiano da Dupla Goiano e Paranaense.

Valdomiro Neres Ferreira (Goiano), nasceu em Sítio de Abadia, próximo a Goiânia, no estado de Goiás, no dia 11 de maio de 1960 e faleceu em 18/07/2014, na Cidade de Pinhalzinho/SP.

Saiba mais sobre a dupla no site Recanto Caipira: http://www.recantocaipira.com.br/duplas/goiano_paranaense/goiano_paranaense.html

terça-feira, 10 de junho de 2014

Morre, Oliveira Neto, o Homem da Voz “BOZANO”

Faleceu, domingo, 08/06/2014, as 17h00, radialista botucatuense, Oliveira Neto, o Homem da Vóz “BOZANO”. Ele encontrava-se internado em uma casa de repouso, na Ciadade de Itatinga, em tratamento de saúde, onde veio a falecer. Oliveira Neto, foi sepultado, às 12h00, no Cemitério Portal das Cruzes, Botucatu.

image Na foto acima, Ramiro Viola, Ricardinho e Oliveira Neto, no dia 09/04/2007, junto a estátua de Raul Torres, na Cidade de Botucatu. http://www.boamusicaricardinho.com/index_int_7_raultorres.html.

Sempre fui muito fã de Oliveira Neto, sem nunca o ter conhecido. Para mim, a mais bela voz do Rádio e da TV Brasileira. Nunca imaginei que fosse de Botucatu, muito menos que se encontrava doente e internado aqui bem pertinho de mim. Nunca ouvi de ninguém de Botucatu que a Cidade tinha um filho assim tão ilustre. Li agora, com sua morte, fazendo pesquisa, uma citação sobre ele na págima do Site do Ricardinho, no link acima.

Precisamos parar de dar apenas notas de falecimentos e divulgar mais nossa gente, nossos artistas. É bom para eles e também para os fãs. É isso que nosso site, nosso blog e nossa Rádio sempre fez e vai continuar a fazer.

Um grande abraço e meus sentimentos aos amigos, parente e fãs desse gigante da radiofonia brasileira, Oliveira Neto.

Tião Camargo

Abaixo, a voz de Oliveira Neto num comercial da Bozano nos anos 60

OBS. Nota de falecimento enviado pelo amigo Ramiro Viola de Botucatu.

domingo, 1 de junho de 2014

Morre Braulino Domingues, da Dupla Irmãos Domingues

Morreu, ontem, às 15h00, em Bauru, Braulino Domingues, da dupla Irmãos Domingues, ícone da Música Caipira para todos nos de Bauru. O Braulino estava internado na UTI do Hospital de Base de Bauru desde o início da semama em consequência de AVC.

Braulino Domingues é um dos criadores do Clube da Viola de Bauru, criador do Grupo Caçula de Catira e da Missa Sertaneja do Clube da Viola de Bauru.

Nos anos 60 e 70, fez sucesso canatndo com seu irmão Valdemar Domingues (falecido), formando a dupla Irmãos Domingues. Para cantar nos programs de rádio em Bauru, primeiro tinha que cantar e ser aprovado pelos Irmãos Domingues.

À família do Braulino, aos amigos e admiradores, meu mais profundo sentimento. Sempre tive grande respeito e admiração pelo Seo Braulino. Uma pessoa muito especial para todos; sempre muito educado, etico e honesto ao extremo. Eu disse diversas vezes para muita gente, inlusive, recentemente, no programa Tarde Sertaneja do meu Amigo Jorge Bongiovani, na Rádio Auri Verde: Se nós fóssemos pessoas como Seo Braulino, o mundo, com certeza, seria diferente e muito melhor.

É com um grande soluço embargado na gargante que estou aqui escrevendo sobre sua morte, meu Grande Mestre, e lhe digo: Descance em paz, vá com Deus. Se, realmente, existe o Céu, lá que o Senhor deve estar agora.

Tião Camargo

Missa Sertaneja, no Destaque Braulino Domingues dos Irmãos Domingues

Na foto acima, em destaque, os Irmãso Domingues (Braulino e Valdemar), onde o Braulino aparece com sua famosa Viola Verde, marca Xadrez, durante uma participação na Missa Sertaneja do Clube da Viola de Bauru, nos anos 90.

Na foto abaixo, o grupo Caçula de Catira criado por Braulino nos anos 50.

dsc00394

sexta-feira, 9 de maio de 2014

Morreu Patriarca da Dupla “João Mendes e Patriarca

joao_mendes_patriarca

Moreu, hoje, as 12h00, em Bauru, meu amigo Fernando Olivieri, o Patriarca da Dupla João Mendes e Patriarca. Ele havia pssado por uma cirrurgia para retirada de um tumor na cabeça, há dois anos. Estava bem e até voltou a cantar e fez uma última apresentação no especial que fizemos em 2013 em homenagem ao Zé Goiano. Seu estado de saúde se agravou no começo desse ano e veio a falecer hoje, no hospital em Bauru. O João Mendes reside em Bauru, mas o Patriarca mora com a família em seu sítio no município de Agudos, bem na divisa com Bauru.

O Patriarca está sendo velado na sala 03 do cento Velatório Terra Branca em Bauru. Ainda não sabemos o horário, nem o local de seu sepultamento.

Á familia, aos amigos e fãs do Fernando, meu profundo sentimento.

Perdemos mais uma grande Artista; perdi mais um grande amigo!

Tião Camargo

revivendo_45_anos_2006

a_lua_e_o_poeta_2011

José Olivieri (João Mendes) e Fernando Olivieri (Patriarca) nasceram na cidade de Gália no interior do estado de São Paulo. Cresceram trabalhando na lavoura.

Iniciaram a carreira em 1959, em programa de calouros na Rádio Clube de Garça.

No final de 1960 foram para a capital paulista, e passaram a se apresentar na Rádio Nacional, depois na Rádio 9 de Julho, Record, Bandeirantes e demais emissoras da capital.
Gravaram seu primeiro disco de 78 rotações no ano de 1964, pelos Discos Aurora, com as músicas "Alô Moçada" e "Destino à Capital", ambas de autoria da dupla. Ainda em 1964, gravaram o segundo 78 rotações, desta vez pela Gravadora Califórnia, com as músicas "É Fogo na Roupa", de autoria de Sebastião Rabelo e Patriarca, e "Marido de Professora", de autoria de Sebastião Rabelo e João Mendes.
Gravaram 4 LPs:

"É Fogo na Roupa" pela Gravadora Cartaz em 1966, "Par de Aliança", numa Gravadora do Rio de Janeiro, "Querida", também na Gravadora do Rio de Janeiro, e "Minhas Lágrimas" em 1975 pela Gravadora Califórnia.
Depois disso, por problemas pessoais, Patriarca parou de cantar, e João Mendes seguiu carreira cantando com outros parceiros, e gravou em 1981 com Pingo D'Água o LP "Mocinha do Circo", em 1986 gravou com Beno Silva, o LP "Os Compadres" pela Gravadora Itaipu.

Em 2003 gravou um CD com Patriota, e em 2004 João Mendes formou novamente a dupla João Mendes e Patriarca, (só que não era o seu irmão) e gravou o CD "A Viola e o Cantador".

Logo depois voltou a cantar com o seu irmão e gravou o CD "Revivendo 45 Anos", em comemoração aos 45 anos de carreira, e agora em 2011 lançam o seu mais recente trabalho intitulado "A Lua e o Poeta". Portanto, João Mendes e Patriarca continuam em plena atividade, viajando por todo o Brasil, defendendo a nossa cultura caipira.

Texto: Sandra Cristina Peripato, site Recanto Caipira

quinta-feira, 1 de maio de 2014

Comunicado

Corre um boato, aqui em Bauru, vindo de fora, que o Festival do Clube da Viola de Bauru já tem ganhador. Infelizmente, desconfio, mas não tenho, ainda, certeza de quem disse tamanha besteira. Sei apenas que se trata de uma dupla inscrita para participar do Festival. Se eu descobrir qual essa dupla, pode ter certeza que, jamais, participará de qualquer festival promovido pelo Clube da Viola de Bauru, inclusive, desse primeiro. Nosso Festival e patrocinado por, nada menos, que o Ministério da Cultura e Prefeitura de Bauru, não se trata de festivalzinho de boteco. Quero pedir para esse imbecil, que disse isso, que não venha para cá, por que eu tiver as provas que estou procurando, esse cidadão será preso aqui em Bauru, por calúnia e difamação. Não venha por que o bicho vai pegar, certeza.

Tião Camargo – Presidente do Clube da Viola de Bauru

Duplas Inscritas Para o 1º Festival de Música Sertaneja Raiz do Clube da Viola de Bauru

Banner CVB_thumb[1]

Duplas Inscritas

Solicitamos aos inscritos que confiram todos dados, caso haja algo a ser corrigos, ou falatando, ou que tenha feito inscrição e não aparece na listagem, que entre em contato conosco. Por exemplo, quem ainda não enviou qual cidade representa. As inscições encerram-se ontem, 30/04/2014, conforme Regulamento. São 26 inscritos. Por favor, confiram o Regulamento.

Os inscritos, devem anotar o número de inscrição e os numeros das músicas, pois o sorteio para ordem de apresentação e as músicas a serem interpretadas, seguirão os números abaixo.

DOWNLOAD para baixar arquivo em PDF

01 - Dupla: Edmilson e Daniel

Cidade: Pirajuí/SP

Musicas

1. Saudade da Minha Terra (Goiá e Belmonte)

2. Meu Reino Encantado (Valdemar Reis e Vicente Pereira Machado)

3. Tristeza do Jeca (Angelino de Oliveira)

4. Caboclo na Cidade (Nhô Chico e Dino Franco)

5. Boiadeiro Errante (Teddy Vieira)

 

02 – Denny e Cinthia Marques

Cidade: Curitiba/PR

Musicas

1. Riozinho (José Fortuna e Carlos Cézar)

2. O Ipê e o Prisioneiro (José Fortuna e Paraíso)

3. Casa de Caboclo (Nonô Basílio)

4. Pássaro Sem Ninho (André, Andrade e Luiz Rosa)

5. Franguinho na Panela (Moacyr dos Santos e Paraíso)

 

03 – Nycolas e Adryano

Cidade: São Fidélis/RJ

Musicas

1. Morena Linda (Nycolas e Adryano)

2. Oito Segundo (Nycolas e Adryano)

3. Pétalas de Rosa (Nycolas e Adryano)

4. Você Abusou (Nycolas e Adryano)

5. Telefone Mudo (Franco e Peão Carreiro)

 

04 – João Marcos e Adriano

Cidade:

Musicas

1. Meu Pai (José Caetano Erba e Tião do Carro)

2. A Saudade e o Carreiro (Almezino e Tony Gomide)

3. Milagre do Retrato (Sulino e Paulo Calandro)

4. Carro de Boi (Donizete Santos e Ronaldo Viola)

5. Justiça Divina (Ciro Rosa, João Miranda e Osvaldo Galhardi)

 

05 – Ademir e Paulinho

Cidade: Cândido Mota/SP

Musicas

1. Faca que Não Corta (Moacyr dos Santos e Lourival dos Santos)

2. Travessia do Araguaia (Dino Franco e Décio dos Santos)

3. Preto Velho (Tião Carreiro, Jesus Belmiro e Lourival dos Santos)

4. Herói Sem Medalha (Sulino)

5. Boiada Cuiabana (Raul Torres)

 

06 – Vitor Hugo e Gustavo

Cidade: Mirassol/SP

Musicas

1. Milagre do Retrato (Sulino e Paulo Calandro)

2. Resto de Comida (Sulino e Moacyr dos Santos)

3. A Bolinha (Valdemar Reis e Marcos Violeiro)

4. Tudo Corre (Delley, Antonio Feitosa e Hélio Gaonçalves)

5. Trono da Saudade (Goiano e Romeu Wandscheer)

 

07 – Adriano Reis e Cuiabá

Cidade: São José do Rio Preto/SP

Musicas

1. Carro de Boi (Donizete Santos e Ronaldo Viola)

2. Carreador (José Fortuna e Paraíso)

3. Eu e Meu Pai (Vicente Dias)

4. Pescador e Catireiro (Cacique e Carreirinho)

5. Lamento de Carreiro (Peão Carreiro e Praense)

 

08 – Guarujá e Corumbá

Cidade: Cabrália Paulista/SP

Musicas

1. A Saudade e o Carreiro (Almezino e Tony Gomide)

2. O Fracasso de Um Pai (Marcão Blognejo)

3. Carro de Boi (Ronaldo Viola e Donizete Santos)

4. Sombra do Desengano (Jesus Belmiro, Carminha e Paraíso)

5. Presente Especial (Tião do Carro e José Caetano Erba)

 

09 – Wandeley Chagas e Carlos Melo

Cidade: Ribeirão Preto/SP

Musicas

1. Carro de Boi que Virou Viola (Otair Wanderley Chagas e Aparecido)

2. Um Caboclo na Cidade ((Otair Wanderley Chagas)

3. Caipira Nato ((Otair Wanderley Chagas João Batista Chagas)

4. Pagode na Viola ((Otair Wanderley Chagas)

5. Um Sonho com Tião Carreiro (Wanderley Chagas e Carlos Melo)

 

10 – Tony Garcia e Divaney

Cidade: José Bonifácio/SP

Musicas

1. Meu Pai (Tião do Carro e Caetano Erba)

2. Ladrão de Gado (Teddy Vieira e Nelson Gomes)

3. Milagre de Aparecida (Divaney)

4. Pousada de Boiadeiro (Dino Franco e Tião Carreiro)

5. Herança do Tempo (João Miranda e Tony Gomide)

 

11 – César e Renan

Cidade: Conchas/SP

Musicas

1. Pagode Em Brasília (Teddy Vieira e Lourival dos Santos)

2. Mineiro de Monte Belo (Lourival dos Santos e Serrinha)

3. Novo Amor (Retrato e Retrói)

4. Saudade (Tião Carreiro e Zé Matão)

5. Olhos Azuis (João Mulato e Teodoro)

 

12 – Bruno Viola e Tomazine

Cidade: Pindorama/SP

Musicas

1. Sete Flecha (Tião Carreiro, Lourival dos Santos e Zé Mineiro)

2. Mineiro de Monte Belo (Lourival dos Santos e Serrinha)

3. Viola Divina (Lourival dos Santos e Tião Carreiro)

4. Pescador e Catireiro (Cacique e Carreirinho)

5. Moradia (Nhô Chico, Tião Carreiro e Cravinho)

 

13 – Os Dois Violeiros

Cidade: Campo Grande/MS

Musicas

1. Filho da Liberdade (Lourival dos Santos e Sebastião Vitor)

2. Milagre da Santa (Joselito e José Vitor)

3. Sistema Bruto (Juarez Benites)

4. Cheiro de Gado (Batista dos Santos e Guilherme Violeiro)

5. Estrade de Chão (Aurélio Miranda)

 

14 – João Paulo e Fernando Viola

Cidade: Campinas/SP

Musicas

1. Viola Sagrada (Rubens Simões e Fernando Viola)

2. Mundo Velho Não Tem Jeito (L. Santos, T. Carreiro e Rose Abrão)

3. To Saindo, To Chegando (José Fortuna e Paraíso)

4. Estrela Divina (Thiago Viola)

5. Menor Infrator (Rubens Simões e Fernando Viola)

 

15 – Célio e Nando

Cidade: Jaú/SP

Musicas

1. Minha Partida (José Caetano Erba e Pirajá)

2. Herança do Tempo (Tony Gomide e João Miranda)

3. Carreiro de Profissão (Sebastião Reis)

4. Tela Desbotada (Ademar Braga e Odilon)

5. Capiau (José Caetano Erba e Tião do Carro)

 

16 – Paraná e Piazinho

Cidade: Pouso Alegre/MG

Musicas

1. Fatalidades da Vida (Paraná e Piazinho)

2. O Mundo Pede Socorro (Paraná e Piazinho)

3. Meu Paraíso (Paraná e Piazinho)

4. O Último dos Carreiros (Wilson Roncatti e José Béttio)

5. Golpes da Viola (Luiz de Castro)

 

17 – Jota Campos e Josenito

Cidade: Piratininga/SP

Musicas

1. Festival de Cores (Zé Venâncio e Carrerito)

2. Mulher do Carreiro (Ademir, Tinoco e Nadir)

3. Mensagem do Poeta (Antonio de Lima “Ademir”)

4. Preces de Um Roceiro (Ademir e Zé Russo)

5. Poeira (Luiz Bonon e Serafim Colombo Gomes)

 

18 – Benê e Patrik

Cidade: Bauru/SP

Musicas

1. Viola Sagrada (Patrik)

2. Tá no Mato Sem Cachorro (Patrik)

3. Canarinho Prisioneiro (Ramoncito Gomes)

4. Pescador e Catireiro (Cacique e Carreirinho)

5. Pura Realidade (Patrik)

 

19 – João Pedro e Adriano

Cidade: São José do Rio Preto/SP

Musicas

1. Meu Pai (José Caetano Erba e Tião do Carro)

2. Lamento de Caboclo (Morgado e Carlos Cézar)

3. Eu e Minhas Lembranças (João Neguito)

4. A Sementinha (Dino Franco e Itapuã)

5. Berrante da Saudade (Nonô Basílio)

 

20 – Carlos Souza e Mineirinho

Cidade: Bauru/SP

Musicas

1. Esquema Montado (Geraldinho)

2. Mundo Velho Não Tem Jeito (T. Carreiro; L. dos Santos e Rose Abrão)

3. Meu Recanto, Meu Paraíso (Goiano e João Miranda)

4. Veneno da Mentira (Jesus Belmiro e Tião Carreiro)

5. Lamento de Um Peão (Goiano e Valdemar Reis)

 

21 – Paulo Sousa e Adriano

Cidade: Elói Mendes/MG

Musicas

1. Carro de Boi (Ronaldo Viola e Donizete Santos)

2. Lamento de Caboclo (Carlos Cézar e Morgado)

3. A Saudade e o Carreiro (Almezino e Tony Gomide)

4. Justiça Divina (João Miranda, Ciro Rosa e Osvaldo Galhardi)

5. Carreiro Sebastião (Carreirinho)

 

22 – Heraldo Viola e Paulo Guilherme

Cidade: Itápolis/SP

Musicas

1. Alerta (Durval)

2. Morena Cheirosa (Nenete e Dorinho)

3. Morrendo de Amor (Maximino Parizze e Canarinho)

4. Filho Adotivo (Arthur Moreira e Sebastião Ferreira da Silva)

5. A Figura do Velho (José Caetano Erba e Tião do Carro)

 

23 – Bruno Viola e J. Silva

Cidade:

Musicas

1. O Doutor e a Bíblia (Waldomiro Vaz, Cassiano e João Machado Filho)

2. Pai Abandonado (Luiz Armando Fabri e J. Silva)

3. Era Uma Boiada (Marcos Violeiro e J. Wilson)

4. Se não Cuidar Vira Deserto (Luiz A. Fabri, Bruno Viola e J. Silva)

5. Mineiro de Monte Belo (Lourival dos Santos e Serrinha)

 

24 – Irmãos Caipira

Cidade: Cabrália Paulista

Musicas

1. Milagre do Retrato (Sulino e Paulo Calandro)

2. Lição de Vida (Samuel)

3. Meu Pai (José Caetano Erba e Tião do Carro)

4. Carro de Boi (Donizete Santos e Ronaldo Viola)

5. Justiça Divina (Ciro Rosa, João Miranda e Osvaldo Galhardi)

 

25 – Michele e Karoline

Cidade: Botucatu/SP

Musicas

1. Força do Amor (Jesus Belmiro e Paraiso)

2. A Caneta e Enxada (Capitão Balduíno e Teddy Vieira)

3. Olho de Vidro (Manoelito Nunes, J. Batista e Mizael)

4. Rainha do Paraná (Nízio)

5. Milagre do Retrato (Sulino e Paulo Calandro)

 

26 – Humberto e Juliano

Cidade: Bauru/SP

Musicas

1. Sonho de Caboclo (Tião do Carro e José Caetano Erba)

2. Presente Especial (Tião do Carro e Caetano Erba)

3. Pescador e Catireiro (Cacique e Carreirinho)

4. Caboclo na Cidade (Nhô Chico e Dino Franco)

5. Sertanejo de Coração (Lucas e Luan)

Duplas Inscritas Para o 1º Festival de Música Sertaneja Raiz do Clube da Viola de Bauru

Banner CVB_thumb[1]

Duplas Inscritas

Solicitamos aos inscritos que confiram todos dados, caso haja algo a ser corrigos, ou falatando, ou que tenha feito inscrição e não aparece na listagem, que entre em contato conosco. Por exemplo, quem ainda não enviou qual cidade representa. As inscições encerram-se ontem, 30/04/2014, conforme Regulamento. São 26 inscritos. Por favor, confiram o Regulamento.

Os inscritos, devem anotar o número de inscrição e os numeros das músicas, pois o sorteio para ordem de apresentação e as músicas a serem interpretadas, seguirão os números abaixo.

DOWNLOAD para baixar arquivo em PDF

01 - Dupla: Edmilson e Daniel

Cidade: Pirajuí/SP

Musicas

1. Saudade da Minha Terra (Goiá e Belmonte)

2. Meu Reino Encantado (Valdemar Reis e Vicente Pereira Machado)

3. Tristeza do Jeca (Angelino de Oliveira)

4. Caboclo na Cidade (Nhô Chico e Dino Franco)

5. Boiadeiro Errante (Teddy Vieira)

 

02 – Denny e Cinthia Marques

Cidade: Curitiba/PR

Musicas

1. Riozinho (José Fortuna e Carlos Cézar)

2. O Ipê e o Prisioneiro (José Fortuna e Paraíso)

3. Casa de Caboclo (Nonô Basílio)

4. Pássaro Sem Ninho (André, Andrade e Luiz Rosa)

5. Franguinho na Panela (Moacyr dos Santos e Paraíso)

 

03 – Nycolas e Adryano

Cidade: São Fidélis/RJ

Musicas

1. Morena Linda (Nycolas e Adryano)

2. Oito Segundo (Nycolas e Adryano)

3. Pétalas de Rosa (Nycolas e Adryano)

4. Você Abusou (Nycolas e Adryano)

5. Telefone Mudo (Franco e Peão Carreiro)

 

04 – João Marcos e Adriano

Cidade:

Musicas

1. Meu Pai (José Caetano Erba e Tião do Carro)

2. A Saudade e o Carreiro (Almezino e Tony Gomide)

3. Milagre do Retrato (Sulino e Paulo Calandro)

4. Carro de Boi (Donizete Santos e Ronaldo Viola)

5. Justiça Divina (Ciro Rosa, João Miranda e Osvaldo Galhardi)

 

05 – Ademir e Paulinho

Cidade: Cândido Mota/SP

Musicas

1. Faca que Não Corta (Moacyr dos Santos e Lourival dos Santos)

2. Travessia do Araguaia (Dino Franco e Décio dos Santos)

3. Preto Velho (Tião Carreiro, Jesus Belmiro e Lourival dos Santos)

4. Herói Sem Medalha (Sulino)

5. Boiada Cuiabana (Raul Torres)

 

06 – Vitor Hugo e Gustavo

Cidade: Mirassol/SP

Musicas

1. Milagre do Retrato (Sulino e Paulo Calandro)

2. Resto de Comida (Sulino e Moacyr dos Santos)

3. A Bolinha (Valdemar Reis e Marcos Violeiro)

4. Tudo Corre (Delley, Antonio Feitosa e Hélio Gaonçalves)

5. Trono da Saudade (Goiano e Romeu Wandscheer)

 

07 – Adriano Reis e Cuiabá

Cidade: São José do Rio Preto/SP

Musicas

1. Carro de Boi (Donizete Santos e Ronaldo Viola)

2. Carreador (José Fortuna e Paraíso)

3. Eu e Meu Pai (Vicente Dias)

4. Pescador e Catireiro (Cacique e Carreirinho)

5. Lamento de Carreiro (Peão Carreiro e Praense)

 

08 – Guarujá e Corumbá

Cidade: Cabrália Paulista/SP

Musicas

1. A Saudade e o Carreiro (Almezino e Tony Gomide)

2. O Fracasso de Um Pai (Marcão Blognejo)

3. Carro de Boi (Ronaldo Viola e Donizete Santos)

4. Sombra do Desengano (Jesus Belmiro, Carminha e Paraíso)

5. Presente Especial (Tião do Carro e José Caetano Erba)

 

09 – Wandeley Chagas e Carlos Melo

Cidade: Ribeirão Preto/SP

Musicas

1. Carro de Boi que Virou Viola (Otair Wanderley Chagas e Aparecido)

2. Um Caboclo na Cidade ((Otair Wanderley Chagas)

3. Caipira Nato ((Otair Wanderley Chagas João Batista Chagas)

4. Pagode na Viola ((Otair Wanderley Chagas)

5. Um Sonho com Tião Carreiro (Wanderley Chagas e Carlos Melo)

 

10 – Tony Garcia e Divaney

Cidade: José Bonifácio/SP

Musicas

1. Meu Pai (Tião do Carro e Caetano Erba)

2. Ladrão de Gado (Teddy Vieira e Nelson Gomes)

3. Milagre de Aparecida (Divaney)

4. Pousada de Boiadeiro (Dino Franco e Tião Carreiro)

5. Herança do Tempo (João Miranda e Tony Gomide)

 

11 – César e Renan

Cidade: Conchas/SP

Musicas

1. Pagode Em Brasília (Teddy Vieira e Lourival dos Santos)

2. Mineiro de Monte Belo (Lourival dos Santos e Serrinha)

3. Novo Amor (Retrato e Retrói)

4. Saudade (Tião Carreiro e Zé Matão)

5. Olhos Azuis (João Mulato e Teodoro)

 

12 – Bruno Viola e Tomazine

Cidade: Pindorama/SP

Musicas

1. Sete Flecha (Tião Carreiro, Lourival dos Santos e Zé Mineiro)

2. Mineiro de Monte Belo (Lourival dos Santos e Serrinha)

3. Viola Divina (Lourival dos Santos e Tião Carreiro)

4. Pescador e Catireiro (Cacique e Carreirinho)

5. Moradia (Nhô Chico, Tião Carreiro e Cravinho)

 

13 – Os Dois Violeiros

Cidade: Campo Grande/MS

Musicas

1. Filho da Liberdade (Lourival dos Santos e Sebastião Vitor)

2. Milagre da Santa (Joselito e José Vitor)

3. Sistema Bruto (Juarez Benites)

4. Cheiro de Gado (Batista dos Santos e Guilherme Violeiro)

5. Estrade de Chão (Aurélio Miranda)

 

14 – João Paulo e Fernando Viola

Cidade: Campinas/SP

Musicas

1. Viola Sagrada (Rubens Simões e Fernando Viola)

2. Mundo Velho Não Tem Jeito (L. Santos, T. Carreiro e Rose Abrão)

3. To Saindo, To Chegando (José Fortuna e Paraíso)

4. Estrela Divina (Thiago Viola)

5. Menor Infrator (Rubens Simões e Fernando Viola)

 

15 – Célio e Nando

Cidade: Jaú/SP

Musicas

1. Minha Partida (José Caetano Erba e Pirajá)

2. Herança do Tempo (Tony Gomide e João Miranda)

3. Carreiro de Profissão (Sebastião Reis)

4. Tela Desbotada (Ademar Braga e Odilon)

5. Capiau (José Caetano Erba e Tião do Carro)

 

16 – Paraná e Piazinho

Cidade: Pouso Alegre/MG

Musicas

1. Fatalidades da Vida (Paraná e Piazinho)

2. O Mundo Pede Socorro (Paraná e Piazinho)

3. Meu Paraíso (Paraná e Piazinho)

4. O Último dos Carreiros (Wilson Roncatti e José Béttio)

5. Golpes da Viola (Luiz de Castro)

 

17 – Jota Campos e Josenito

Cidade: Piratininga/SP

Musicas

1. Festival de Cores (Zé Venâncio e Carrerito)

2. Mulher do Carreiro (Ademir, Tinoco e Nadir)

3. Mensagem do Poeta (Antonio de Lima “Ademir”)

4. Preces de Um Roceiro (Ademir e Zé Russo)

5. Poeira (Luiz Bonon e Serafim Colombo Gomes)

 

18 – Benê e Patrik

Cidade: Bauru/SP

Musicas

1. Viola Sagrada (Patrik)

2. Tá no Mato Sem Cachorro (Patrik)

3. Canarinho Prisioneiro (Ramoncito Gomes)

4. Pescador e Catireiro (Cacique e Carreirinho)

5. Pura Realidade (Patrik)

 

19 – João Pedro e Adriano

Cidade: São José do Rio Preto/SP

Musicas

1. Meu Pai (José Caetano Erba e Tião do Carro)

2. Lamento de Caboclo (Morgado e Carlos Cézar)

3. Eu e Minhas Lembranças (João Neguito)

4. A Sementinha (Dino Franco e Itapuã)

5. Berrante da Saudade (Nonô Basílio)

 

20 – Carlos Souza e Mineirinho

Cidade: Bauru/SP

Musicas

1. Esquema Montado (Geraldinho)

2. Mundo Velho Não Tem Jeito (T. Carreiro; L. dos Santos e Rose Abrão)

3. Meu Recanto, Meu Paraíso (Goiano e João Miranda)

4. Veneno da Mentira (Jesus Belmiro e Tião Carreiro)

5. Lamento de Um Peão (Goiano e Valdemar Reis)

 

21 – Paulo Sousa e Adriano

Cidade: Elói Mendes/MG

Musicas

1. Carro de Boi (Ronaldo Viola e Donizete Santos)

2. Lamento de Caboclo (Carlos Cézar e Morgado)

3. A Saudade e o Carreiro (Almezino e Tony Gomide)

4. Justiça Divina (João Miranda, Ciro Rosa e Osvaldo Galhardi)

5. Carreiro Sebastião (Carreirinho)

 

22 – Heraldo Viola e Paulo Guilherme

Cidade: Itápolis/SP

Musicas

1. Alerta (Durval)

2. Morena Cheirosa (Nenete e Dorinho)

3. Morrendo de Amor (Maximino Parizze e Canarinho)

4. Filho Adotivo (Arthur Moreira e Sebastião Ferreira da Silva)

5. A Figura do Velho (José Caetano Erba e Tião do Carro)

 

23 – Bruno Viola e J. Silva

Cidade:

Musicas

1. O Doutor e a Bíblia (Waldomiro Vaz, Cassiano e João Machado Filho)

2. Pai Abandonado (Luiz Armando Fabri e J. Silva)

3. Era Uma Boiada (Marcos Violeiro e J. Wilson)

4. Se não Cuidar Vira Deserto (Luiz A. Fabri, Bruno Viola e J. Silva)

5. Mineiro de Monte Belo (Lourival dos Santos e Serrinha)

 

24 – Irmãos Caipira

Cidade: Cabrália Paulista

Musicas

1. Milagre do Retrato (Sulino e Paulo Calandro)

2. Lição de Vida (Samuel)

3. Meu Pai (José Caetano Erba e Tião do Carro)

4. Carro de Boi (Donizete Santos e Ronaldo Viola)

5. Justiça Divina (Ciro Rosa, João Miranda e Osvaldo Galhardi)

 

25 – Michele e Karoline

Cidade: Botucatu/SP

Musicas

1. Força do Amor (Jesus Belmiro e Paraiso)

2. A Caneta e Enxada (Capitão Balduíno e Teddy Vieira)

3. Olho de Vidro (Manoelito Nunes, J. Batista e Mizael)

4. Rainha do Paraná (Nízio)

5. Milagre do Retrato (Sulino e Paulo Calandro)

 

26 – Humberto e Juliano

Cidade: Bauru/SP

Musicas

1. Sonho de Caboclo (Tião do Carro e José Caetano Erba)

2. Presente Especial (Tião do Carro e Caetano Erba)

3. Pescador e Catireiro (Cacique e Carreirinho)

4. Caboclo na Cidade (Nhô Chico e Dino Franco)

5. Sertanejo de Coração (Lucas e Luan)

sexta-feira, 4 de abril de 2014

Morre Dino Franco

dfr

Perdemos o maior Artista Sertanejo de todos os tempos. Morreu hoje, as 11 horas, na cidade de Rancharia, o Grande Dino Franco.

Osvaldo Franco (Dino Franco) nasceu em 08 de setembro de 1936, na cidade paulista de Paranapanema.

Desde muito cedo se inclinou para a vida artística. Em 1954 já trabnalhava na Rádio Marconi de Paraguaçu Paulista. Dois anos após, em 1956, estava na Capital e cantou com Tibagi (da dupla com Miltinho). Nessa época Dino Franco tinha o nome artístico de Pirassununga.

A parceria com Tibagi foi desfeita. Dino arruma um novo parceiro e deixa de ser o Pirassununga para se tornar o Junqueira da nova dupla Juquinha e Junqueira. A união desses cantadores durou apenas dois anos.
Em 1963 retorna com o antigo nome (Pirassununga) e faz dupla com Piratininga.

Gravam para a CBS e posteriormente para a Continental. Essa dupla também foi desfeita, só que dessa vez, com a morte de seu novo companheiro.
Como sempre, Dino Franco consegue outro parceiro: Belmonte.

Pirassununga e Belmonte gravaram na Chantecler, acompanhados pelo sanfoneiro Zé Maringá. A parceria com Belmonte também se desfez.

O poeta violeiro não desanimou. Dino Franco começou a viajar com duplas famosas da época, fazendo parte da companhia teatral, tais como: Zico e Zéca, Liu e Léu, e Abel e Caim.

Biografia completa de Dino Franco no site Recanto Caipira

domingo, 2 de março de 2014

1º Festival de Música Sertaneja Raiz do Clube da Viola de Bauru–04/05/2014

amadoresdeviolacaipirajc.blogspot.com.br

Comunicado:

Os muitos problemas ocorridos com realizações de festivais de músicas inéditas, devido a plágios e apresentações de músicas já gravadas, sem que isso possa ser checado com 100% de veracidade, o Clube da Viola de Bauru não mais realizará seu Festival de Músicas Inéditas, mas sim um Festival de Música Sertaneja de Raiz, premiando as melhores músicas e as melhores apresentações, entre outros itens a serem julgados, como constam desse Regulamento.

 

1º PRIMEIRO FESTIVAL DE MÚSICA SERTANEJA DE RAIZ DO CLUBE DA VIOLA DE BAURU

REGULAMENTO

OBJETIVO, DATA E LOCAL

Art.1º - O 1º Festival de Música Sertaneja de Raiz do Clube da Viola de Bauru é parte integrante do Projeto “Acordes de Viola” do Clube da Viola de Bauru, subsidiado pelo Projeto “Ponto de Cultura” do Ministério da Cultura e Prefeitura de Bauru.

Art.2º - Os objetivos do FESTIVAL é divulgar, incentivar a criação, a produção musical, revelar talentos, promover intercâmbio cultural entre artistas de diversas regiões, promover as manifestações musicais inerentes à cultura caipira e proporcionar lazer cultural gratuito para a cidade e região.

Art.3º - O Festival realizar-se-á no dia 04 de maio de 2014 nas dependências no Grêmio Recreativo Energético de Bauru (GREB), na Rua Benedito Eleutério, 2-8, Vila Pacífico, Bauru, Estado de São Paulo, das 13h00 às 21h00.

DAS INSCRIÇÕES:

Art.4º - As inscrições poderão ser feitas de 01/04/2014 a 30/04/2014.

Art.5º – Não será aceita participação de intérprete solo.

Art.6º – Não será aceito nenhum tipo de instrumento eletrônico, sendo aceita apenas capitação elétrica.

Art.7º - As inscrições deverão ser enviadas através dos emails: clubedavioladebauru@gmail.com, slf.camargo@gmail.com.

Art.8º – Na inscrição deverão constar os nomes completos dos e artísticos dos intérprestes, nomes de cinco músicas que poderão ser interpretadas, nomes completo ou nomes artísticos de seus autores e compositores.

Art.8º – Serão aceitas apenas 30 (trinta) inscrições. Caso esse número não seja atingido até o dia 30/04/2014, serão aceitas outras inscrições até meia hora antes do início do Festival.

DAS FASES

Art.10 - A primeira fase do Festival será a Fase de Classificação, com apresentações dos trinta inscritos, interpretando uma estrofe de uma música de livre escolha para regulagem do som; apresentação de uma das cinco músicas enviadas juntamente com a inscrição e sorteda, na hora, pela Comissão Julgadora.

Art.11 - A segunda fase será a Fase Final que constará das apresentações dos dez primeros colocados, interpretando uma das cinco músicas enviadas juntamente com a inscrição e sorteda, na hora, pela Comissão Julgadora, excluindo-se a música da primeira fase.

Art.12 – A classificação final, do 1º ao 10º colocado, será conhecida através da soma das notas da primeira e da segunda fase.

DA AVALIAÇÃO

Art.13 – Os itens a serem avaliados e as notas atribuidas pelos jurados, na primeira e na segunda fase, serão os seguintes:

  1. Nome da música: de 1 a 10 ponto;
  2. Nome (s) do (s) compositores: de 1 a 10 pontos;
  3. Letra da música: de 1 a 10 pontos;
  4. Melodia da música: de 1 a 10 pontos;
  5. Interpretação, nela incluindo postura de palco, instrumentação, voz e dueto: de 10 a 60 pontos.

Parágrafo Único: Não serão aceitos números decimais.

DA PREMIAÇÃO

Art.14 - A premiação do Festival será a seguinte:

· 1º Lugar: R$ 3.000,00;

· 2º Lugar: R$ 2.000,00;

· 3º Lugar: R$ 1.000,00;

· 4º Lugar: R$ 500,00;

· 5º Lugar: R$ 250,00;

· 6º Lugar: R$ 150,00;

· 7º Lugar: R$ 150,00;

· 8º Lugar: R$ 150,00;

· 9º Lugar: R$ 150,00;

· 10º Lugar: R$ 150,00;

DO CORPO DE JURADO

Art.15 - A mesa de jurados será formada por critérios exclusivamente da Comissão Organizadora e será composta de 06 (seis) pessoas de reconhecida capacidade musical e identidade com a música raiz, sendo 5 (cinco) julgadores e um Presidente da Mesa, cuja decisões terão caráter irrevogável e irreversível.

Parágrafo Único – Em caso de empate, o critério para desempate serão os itens: 1º) interpretação, 2º) Letra, 3º) Melodia. Persistindo o empate, caberá ao Presidente da Mesa a decisão de desempatar.

DAS CONSIDERAÇÕES GERAIS

Art.16 - Só serão permitidos os instrumentos: viola e violão (eletrificados), sendo expressamente proibida a interpretação de música play-back, música seqüenciada com teclado, ritmo eletrônico e cantores solos.

Art.17 - As músicas concorrentes deverão, obrigatoriamente, ser do estilo sertanejo raiz, tendo o corpo de jurados total liberdade de interpretação da modalidade apresentada sem interferência da comissão organizadora.

Art.18 - Não serão permitidas apresentações trajando bermudas, camisetas cavadas, descalços, calçando chinelo.

Art.19 - Todos os candidatos autorizam o uso de imagens para internet, materiais de divulgação do festival, rádio, revistas, sites, materiais gráficos, e sem fins comerciais do projeto.

Art.20 - Os casos omissos no presente regulamento serão decididos pela Coordenação Geral do Festival, não cabendo qualquer recurso contra suas decisões, exceto os casos legais.

Art.21 - O candidato, no ato da inscrição, aceita e concorda com todos os termos do presente regulamento o qual vale como contrato de adesão.

ART.22 - As despesas com transportes, alimentação e hospedagens são de inteira responsabilidade dos concorrentes.

ART.23 – A ordem de apresentação será conhecida por meio de sorteio que será realizado antes do início de cada fase, na presença de um representante de cada concorrente, podendo a Comissão Organizadora, em caso de algum incidente considerado relevante, alterar a ordem de apresentação.

ART.24 – O concorrente que não se fizer presente no momento em que for chamado para se apresentar, será penalizado com a perda de 1 (um) ponto por minuto de atraso, na classificação geral, sendo a tolerância máxima de 10 (dez) minutos.

ART.25 – Não será permitida nenhuma música cuja letra faça uso de pornografia, discriminação, alusão, elogio ou criticas a religião, a partidos políticos ou pessoais.

Art.26 – Os particpantes deverão estar presentes no local da realização do vento até 12h00 do dia realização do Festival.

Art.27 – A Comissão Organizadora poderá mudar o local da realização do Festival até 30 dias antes da data prevista nesse regulamento.

 

Bauru, 20 de janeiro de 2014

CLUBE DA VIOLA DE BAURU

COMISSÃO ORGANIZADORA